Evite Fake News – Proteja-se do coronavírus e das fakes

Água tônica combate o coronavírus. Inalar ar quente, seja em sauna ou usando secador de cabelo, mata o novo coronavírus. Redes de telefonia 5G propagam o coronavírus e diminuem a imunidade. Beber água a cada 15 minutos previne a COVID-19. Café previne o coronavírus. Já recebeu alguma dessas mensagens?

É possível que algumas dessas “notícias” já chegaram a você através das redes sociais, seja por mensagens, fotos ou vídeos. Essas são apenas algumas das fake news que estão circulando em tempos de pandemia.

As redes sociais são um dos principais meios de troca de informações entre as pessoas e utilizamos com frequência para nos mantermos informados. Em tempos de isolamento social e quarentena, o uso das mídias sociais estão potencializados e mais informações circulam a cada instante.

Na ansiedade de novas informações, novos tratamentos e vacinas, mesmo os mais desconfiados acabam acreditando em uma ou outra informação e, até, compartilhando com seus amigos e familiares, sem antes verificar a veracidade.

Mas como podemos nos prevenir dessas notícias falsas? Como saber se é verdade ou mentira as informações que recebemos? A Equipe do e-Triagem separou algumas dicas de como podemos nos precaver do “fake vírus” em tempos de “corona news”.

Como se prevenir das Fake News? O Que fazer?

Questionar e checar, ações importantes que devemos realizar ao receber uma informação e antes de compartilhar com nossos grupos de amigos e familiares. Devemos fazer isso, ainda que a mensagem seja proveniente de uma pessoa confiável, ela pode ter sido a vítima.

Algumas precauções que devemos ter:

  1. Ler a notícia ou assistir o vídeo completamente, não só o título. Veja se há relação entre elas, se o conteúdo não está vago, se o vocabulário utilizado condiz com a origem.
  • Verifique se são citadas as fontes ou as pessoas responsáveis pela informação. Observe se a origem da informação é conhecida, um veículo de imprensa reconhecido, uma organização governamental, um profissional ou entidade reconhecida. Pesquise o autor e a fonte, verifique se são reais, se as informações publicadas são de fato atribuídas a essa pessoa.
  • Pesquise nos buscadores (google, bing, entre outros) o título da notícia ou mesmo a imagem, através da busca reversa por imagem. Verifique quais informações a respeito do assunto já foram noticiadas em outros veículos de informação.
  • Verifique o contexto da mensagem. Em algumas situações as mensagens são reais, mas apresentadas fora do contexto, com visão distorcida sobre o fato.
  • Use fontes de checagens de fake news para verificar a procedência da informação. Use os órgãos oficiais e as agências de checagem (listaremos abaixo) para conferir.
As fakes news representam perigo?

Notícias falsas sempre são prejudiciais seja por alterar a visão da realidade de quem consome, por alterar o comportamento social das pessoas ou, no pior cenário, por representar um risco eminente a saúde ou a vida de alguém.

Como exemplo, recomendar o uso de medicamentos ou substâncias sem a devida avaliação individual de cada pessoa por profissional capacitado, pode levar pessoas, próximas ou não, a situações danosas a  saúde e a vida.

Fontes Confiáveis

É importante checarmos as informações que recebemos. No caso do COVID-19, os órgãos e entidades oficiais ligadas à saúde são as melhores fontes de informações, tanto para saber mais detalhes sobre a pandemia, sintomas, avanço das pesquisas, entre outros, quanto para checar fake news. O Ministério da Saúde, Secretarias de Saúde dos Estados/Municípios, Organização Mundial de Saúde são as principais fontes de informações sobre o COVID-19 no Brasil.

Há também entidades como a Sociedade Brasileira de Infectologia, a Fundação Osvaldo Cruz – Fiocruz, dentre outras, que exercem papel importante na divulgação de informações sobre a pandemia do COVID-19.

A imprensa oficial, também é uma fonte de consulta importante, as informações publicadas são baseadas em fatos, pesquisas e análise, o que atribui confiabilidade à informação.

Onde checar se é fake?

O Ministério da Saúde disponibiliza em seu site uma seção para checagem de informações (ver aqui), assim como um número de WhatsApp (61) 99289-4640, onde qualquer cidadão pode enviar textos ou imagens para confirmar a veracidade da informação.

As agências de checagens são outros meios de verificação de informações. Em geral, formada por profissionais capacitados, grupos de jornalistas, eles analisam os conteúdos publicados nas redes sociais. Veja algumas:

  • Fato ou Fake (g1.globo.com/fato-ou-fake) – Agência de checagem ligado ao grupo globo.
  • Lupa (https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/) – Agência de checagem ligada à Folha de São Paulo, membro da IFCN (International  Fact-Checking Network – Rede Internacional de Verificação de Fatos)
  • aosfatos.org – Agência de checagem de fatos, membro da IFCN.

Na Era da Informação, ter acesso a informação não significa conhecimento. Esteja atento às notícias que chegam até você, questione, leia atentamente, verifique a origem, se faz sentido, se há exageros, procure por novas fontes que possam confirmar a informação, se for verdade, provavelmente, já terá sido abordado por outros veículos. Acompanhe o blog do e-Triagem e fique bem informado.

Texto escrito por Eric Cunha em 18 de abril 2020.